Como se espalha?

Faça ou não faça?

Resumo!

O CDC recomenda à Trusted Source que todas as pessoas usem máscaras em locais públicos, onde é difícil manter uma distância de 1,5 metro dos demais. Isso tem ajudado a retardar a propagação do vírus de pessoas sem sintomas ou pessoas que não sabem que contraíram o vírus. As máscaras faciais devem ser usadas enquanto se pratica o distanciamento social.

Festas de sexo são canceladas. Os bares, restaurantes e estúdios de fitness onde você normalmente encontra alguém para bater um papo estão fechados.

O aplicativo de namoro Tinder chegou a adotar uma precaução sobre namoro e encontros na época do coronavírus.

E, no entanto, as previsões da Internet sobre todos os bebês que serão gerados durante esta pandemia estao sobre estudo. Esses bebês a serem gerados têm até um apelido fofo: “Coronais”.

Cobertura de Coronavírus da Healthline

Mantenha-se informado com nossas atualizações sobre a atual situação da COVID-19. Além disso, visite nosso site para se informar mais sobre o coronavírus para obter mais informações sobre como se preparar, conselhos sobre prevenção e tratamento e recomendações de especialistas.

O que fazemos e não sabemos sobre o novo coronavírus e fluidos corporais?

“Como ainda é novo, e porque ainda não há pesquisas suficientes, há uma escassez de dados verdadeiros e informações até o momento”, diz a Dr. Marcus Borges MD, Ginecologista com MBA in Saúde.”

Então, o que nós sabemos?

Ele se espalha através de gotículas respiratórias (e matéria fecal)

“O coronavírus é um vírus respiratório, o que significa que se espalha através de gotículas respiratórias”, explica o Dr. Eric Mizuno, MD, internista certificado pelo Weiss Memorial Hospital em Chicago.

O que é uma gota respiratória, exatamente? Espirro, resíduo de tosse e saliva. Chamamos isso de aspergotos. Basicamente, qualquer coisa que possa sair da sua boca ou nariz se qualifica.

Há transmissão sexual do novo Coronavírus?

“O coronavírus não parece ser transmitido sexualmente porque não há pesquisas sobre quais atos sexuais podem ou não espalhar o vírus.”, diz Dr. Marcus Borges.

Dito isto, você “pode” contrair fazendo sexo? Sim!

“A relação sexual em si não é o que está espalhando o vírus”, diz Dr. Borges. “É o fato de seus corpos estarem próximos”.

A recomendação atual dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), Fonte Confiável, é que as pessoas – mesmo as que não estão apresentando sintomas no momento – evitam ficar a 1,83 metro uma da outra.

“Há razões para acreditar que alguém pode ter o vírus, mas ser completamente assintomático e espalhá-lo para outras pessoas tambem sem sitomas e se propagar rapidamente em sua familia, vizinhos, comunidade e toda a cidade”, acrescenta.

Ou seja, mesmo que seu parceiro não tenha sintomas, ele pode ter o vírus e transmitir para você se você tiver relações sexuais.

Se isso o assusta, considere o seguinte: isso é verdade para a maioria das infecções virais.

“Se você teve algum tipo de gripe – que é amplamente conhecida por não ser uma infecção sexualmente transmissível – e fez sexo com alguém, essa pessoa provavelmente também pode pegar a gripe”, diz Dr. Marcus Borges.

Então, sexo é proibido para todos?

É complicado.

De acordo com Gersh, “é diferente fazer sexo com um parceiro ou alguém com quem você está em quarentena do que fazer sexo com alguém que você não conhece muito bem e que precisa viajar para chegar até você. ”

Esses casais precisam determinar se o risco de transferência adicional que vem com o sexo vale a pena para eles.

O risco pode não valer a pena.

Mas para casais em que uma ou ambas as pessoas são imunocomprometidas – e os perigos associados à contração do vírus podem ser altos.

Ter relações sexuais com alguém novo provavelmente não é uma boa ideia. Isso é basicamente o oposto do distanciamento social. Essa pessoa pode estar carregando o vírus e transmiti-lo para você. Ou vice versa.

Se você quiser fazer sexo com outra pessoa, tenha cuidado!

Resumo

O novo coronavírus não é transmitido sexualmente, mas com toda a troca de secreções, contato cara a cara e proximidade geral do corpo do sexo o risco de transmissão do vírus é alto.

É por isso que o Dr. Marcus Borges diz: “Pode ser um grande sacrifício para alguns, mas com certeza, será a melhor aposta para sua saúde a longo prazo e abster-se de sexo em parceria por enquanto”.

Sexo na época do COVID-19 

No momento em que as pessoas em todos os lugares ficam confinadas em suas casas devido ao COVID-19, procurando maneiras de se divertir, a pergunta é: ainda posso fazer sexo? É seguro? 

Em resumo – Sim, você ainda pode fazer sexo, mas com precauções. O que sabemos agora? Como é uma doença respiratória, o contato direto com a saliva pode transmitir o vírus. Embora o COVID-19 não tenha sido encontrado no sêmen ou no fluido vaginal, ele foi encontrado nas fezes das pessoas infectadas. Como sempre, preservativos podem reduzir o risco e reduzir o contato com saliva e fezes durante o sexo anal e oral ou contato oral / anal. 

O Departamento de Saúde e Higiene Mental da cidade de Nova York ofereceu excelentes orientações sobre sexo seguro durante esses períodos. Mas aqui estão algumas dicas básicas da NYC Health sobre como aproveitar o sexo e evitar a disseminação do COVID-19: 

Você é seu parceiro sexual mais seguro. A masturbação não espalhará o COVID-19, especialmente se você lavar as mãos (e quaisquer brinquedos sexuais) com água e sabão por pelo menos 20 segundos antes e depois do sexo. 

O próximo parceiro mais seguro é alguém com quem você vive. Manter contato próximo – incluindo sexo – com apenas um pequeno círculo de pessoas ajuda a evitar a disseminação do COVID-19. 

Você deve evitar contato próximo – incluindo sexo – com alguém fora de sua casa. Se você faz sexo com outras pessoas, tenha o mínimo possível de parceiros. 

Se você costuma encontrar seus parceiros sexuais online ou ganha a vida fazendo sexo, considere fazer uma pausa nas datas em que você se encontra. Datas de vídeo, sexting ou salas de bate-papo podem ser opções para você. 

O especialista em ASHA H. Hunter Handsfield também oferece alguns bons conselhos resumidos: “Recomendamos fortemente que as pessoas sexualmente ativas sejam muito seletivas em suas parcerias sexuais, prestem atenção à saúde dos parceiros e limitem novas parcerias ao mínimo possível. É claro que o menor risco sexual existe para casais mutuamente monogâmicos. ” 

Para os casais de quem a gravidez é uma preocupação, também não se esqueça da contracepção. Mais uma vez, os preservativos (internos e externos) podem desempenhar esse papel, e as opções de telemedicina também estão disponíveis, se você não puder se aventurar em uma clínica ou farmácia. 

Marcus Borges
Dr. Marcus Borges é formado em medicina pela UNICAMP, concluiu a residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia pelo CAISM (Especialista em Stem Cells e fertilidade). Com forte experiência internacional trabalhou para a Organização Mundial de Saúde (OMS/WHO) na Alemanha no hospital da RWTH-Aachen, por 3 anos. Mudou-se para os EUA onde finalizou seus estudos na UMDNJ - New Jersey no curso de pós doutorado em perinatologia por 2 anos. Professor adjunto da Ensign College em Utah/USA. Com inúmeras publicações científicas internacionais voltou ao Brasil onde concluiu o curso do MBA pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Forte experiência em saúde da mulher e com inúmeras palestras iniciou seu trabalho na indústria de seguros saúde e depois na indústria farmacêutica multinacional como a Ativus, Merk Serono e na Glenmark como diretor da área médica. Atualmente escreve uma coluna para o portal Plena Mulher, levando maior conhecimento e informação para as mulheres brasileiras.
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.