A halitose, ou mau hálito, é resultado de uma variedade de problemas. A falta de higiene bucal adequada é um deles. “A escovação mal feita (ou não feita) faz com que partículas de alimentos se acumulem na superfície da língua, entre os dentes ou no tecido gengival. O que acontece a seguir é que as bactérias que existem naturalmente na boca vão quebrar as referidas partículas e liberar substâncias químicas com forte odor.” explica a cirurgiã dentista e especialista em saúde bucal Dra. Bruna Conde.

No entanto, especialistas alertam que este tipo de halitose pode acontecer por alguns outros motivos: diabetes mal compensado resulta em hálito cetônico (e promove odor de fruta passada); insuficiência renal (produz odor de ureia ou urina); insuficiência hepática (tem como característica o odor de terra molhada ou de rato) e câncer (hálito com odor de necrose).

Detecção de compostos de enxofre voláteis na respiração exalada como um potencial método diagnóstico para células escamosas oral carcinoma.

Câncer?

Sim. O mau hálito pode ser um indicativo de câncer.

A multiplicação celular desordenada originada pela doença, em alguns casos, resulta em tecidos tumorais (tumores de partes moles) comprimindo os tecidos normais os envolvendo e provocando necrose. Decorrendo da morte tecidual, acontece a produção de algumas substâncias de odor desagradável, que são carregadas pela corrente sanguínea e alcançam os pulmões. “Tais substâncias são eliminadas, então, pela expiração, o que provoca a halitose (ou mau hálito), que pode ser percebida tanto pela boca quanto pelas narinas.” destaca Bruna Conde.

O carcinoma espinocelular oral (câncer que se desenvolve em qualquer local da boca) causa uma proporção significativa de morbidade e mortalidade global por câncer. Em todo o mundo, são responsáveis por 300.000 casos (2,1% do total mundial) e 145.000 mortes por ano. Entre estes, o escamoso oral carcinoma celular (CEC) representa 90% de todos os casos e comumente ocorre na cavidade oral.

Muitos métodos foram desenvolvidos para medir mau cheiro. “No consultório temos um aparelho tecnológico capaz de medir e diagnosticar a halitose e distinguir qual a origem do problema.” conta a cirurgiã dentista Bruna Conde.

Divulgação

Quais sinais é preciso se atentar?

  • Lesões (feridas) na cavidade oral ou nos lábios que não cicatrizam por mais de 15 dias, que podem apresentar sangramentos e estejam crescendo.
  • Manchas/placas vermelhas ou esbranquiçadas na língua, gengivas, céu da boca ou bochechas
  • Nódulos (caroços) no pescoço
  • Rouquidão persistente

Nos casos mais avançados observa-se:

  • Dificuldade de mastigação e de engolir
  • Dificuldade na fala
  • Sensação de que há algo preso na garganta
  • Dificuldade para movimentar a língua

“Fique atento a esses sinais e a mudanças na coloração ou aspecto da sua boca. No caso de anormalidades, procure um profissional capacitado.” finaliza Bruna Conde.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.