Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o remédio Niraparibe, da GSK, para ser usado no tratamento do câncer de ovário. O comprimido funciona como uma manutenção, prolongando os efeitos da quimioterapia.

O objetivo é conseguir adiar por mais tempo o retorno do câncer, ou parar sua progressão, já que mesmo com a quimioterapia, muitas mulheres sofrem com o reaparecimento da doença. O medicamento é indicado tanto para mulheres que receberam o primeiro diagnóstico do câncer de ovário, quanto para pacientes que já sofreram uma recidiva e tiveram benefícios com novas rodadas da quimioterapia.

O Niraparibe inibe a enzima Parp, que age no reparo do DNA danificado dentro das células cancerosas. Quando o DNA de algumas células é danificado, o sistema de reparo é bem eficiente e faz a correção, no entanto, ele também funciona para células malignas, ajudando-as a permanecerem vivas. O inibidor do Parp impede que a enzima corrija os erros, ocasionando assim a morte do tecido.

Ainda não há uma previsão de quando o remédio estará disponível.

Câncer de ovário

De acordo com o Inca (Instituto Nacional do Câncer), o câncer de ovário é a segunda neoplasia ginecológica mais comum, e só fica atrás do câncer do colo do útero. Ainda segundo o Instituto, 95% dos casos de câncer nos ovários são derivados das células epiteliais (que revestem o ovário). O restante provém de células germinativas (que formam os óvulos) e células estromais (que produzem a maior parte dos hormônios femininos).

Ainda de acordo com as estatísticas do Inca, cerca de 6 650 novos casos são diagnosticados por ano, e o número de óbitos em decorrência da doença é de 4.123 para o mesmo período.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.