Flayslane chocou seguidores ao expor nas redes sociais suas cicatrizes de espinhas no rosto, que na verdade são os efeitos colaterais sofridos após um procedimento estético chamado “chip da beleza”. A ex-BBB foi enérgica ao contar sobre como o implante hormonal destruiu sua pele.

Durante entrevista ao colunista Leo Dias, a ginecologista e obstetra Ana Comin falou que não é recomendado fazer uso deste recurso, principalmente para fins estéticos. Na realidade, o “chip da beleza” é uma técnica de implante hormonal: a gestrinona, um derivado da testosterona.

“O adjetivo ‘beleza’ foi acrescido na expressão ‘chip da beleza’ porque dentro dos padrões estéticos pré-estabelecidos pela sociedade, ainda há a crença de que ser bonito está associado a ter músculos mais bem definidos, e é essa uma das promessas feitas para quem procura esse tipo de tratamento”.

Comin ainda ressalta sobre a forma indevida de uso, que pode ser equiparada ao uso de anabolizantes. “O chip da beleza não existe. As pessoas escolhem implantar a gestrinona porque ele não tem a passagem hepática, então pode ser usado em grande quantidade nas mulheres com a promessa de crescimento muscular. É, portanto, um anabolizante”, esclarece.

A maior questão não é o hormônio em si, e sim o uso dele de forma inadequada, com altas dosagens, afirma a especialista. Por outro lado, com o uso correto, o gestrinona tem muitos benefícios. “Já fiz uso no meu consultório com várias pacientes com dor pélvica intensa e crônica, e nesses casos, aplicado em doses corretas, obtivemos excelentes resultados. Em nenhum dos casos acompanhados por mim, houve efeitos colaterais”, garante.

Dra Ana Comin diz que além da acne na face, caso relatado por Flay, outros efeitos colaterais podem surgir devido a super dosagem do hormônio. Entre eles a atrofia do músculo, queda de cabelo e até dores durante as relações sexuais.

Divulgação Instagram
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.