A polícia está investigando se a morte do ator Luiz Carlos Araújo, que ficou famoso pelo trabalho na novela “Carinha de Anjo”, do SBT, pode ter sido causada por uma asfixia acidental durante relação sexual.

O delegado Roberto Monteiro, da 1ª Seccional Centro/Capital, falou sobre as investigações durante participação no “Melhor da Tarde”, da Band, nesta quarta-feira (15).

“Foi questionado pela imprensa se o saco na cabeça não seria um homicídio. Não necessariamente. Primeiro, porque não há sinal de violência no apartamento. Estava trancado por dentro, o chaveiro teve um trabalho enorme para abrir. E, existe uma prática sexual que é a asfixiofilia, que a pessoa coloca um saco na cabeça para ter mais prazer”, explicou.

“Isso também não está descartado. A gente também está avaliando, porque já teve um ator e cantor que morreu dessa forma. Tinha um cinto ali, no armário, colocado de forma muito estratégica para a pessoa se pendurar. Nós não podemos dar muitos detalhes, mas nós estamos avaliando todas as hipóteses porque os laudos não chegaram ainda”, complementou Monteiro.

Foto: Divulgação Redes Sociais

O delegado afirma ainda que a polícia trabalha para ter certeza exatamente do que aconteceu com o ator.

“Só que alguns sinais indicam que pode ser isso. A intenção da polícia de São Paulo é ter totalmente a certeza do que aconteceu. E vamos  ter, pela competência e pela técnica da nossa instituição. Todo mundo quer saber o que aconteceu com o Luiz Carlos Araújo, um jovem ator muito talentoso”, finalizou.

A polícia ainda avalia outras linhas de investigação como um possível suicídio, latrocínio e crime passional. No entanto, outras hipóteses já foram descartadas, já que não há indicações de que tenha havido violência no local antes.

Entenda

O ator Luiz Carlos Araújo, de 43 anos, que participou da novela “Carinha de Anjo”, do SBT, foi encontrado morto em seu apartamento em São Paulo.

A atriz Marilice Cosenza, durante entrevista ao UOL, disse que tentou falar com o ator dias antes de sua morte. Preocupada com o que podia ter acontecido, ela pediu para que amigas fossem ao apartamento de Luiz para verificar se estava tudo bem.

“Ninguém atendeu a porta. O porteiro foi, tocou e sentiu um cheiro muito forte do apartamento. Chamaram a polícia e um chaveiro. Abriram o apartamento e encontraram o Luiz na cama, já falecido. Parece que ele estava ali há uns três, quatro dias”, contou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.