Uma brasileira de 34 anos, que não teve a identidade revelada, acionou a Justiça exigindo que o pai da sua filha de 15 anos, o príncipe Albert II de Mônaco, reconheça a paternidade. O processo está em andamento e ela aguarda uma nova audiência na esperança que seja solicitado um exame de DNA.

Durante entrevista exibida ontem (01), ao “Domingo Espetacular”, da Record TV, ela afirmou que o monarca não queria ser pai e, ao saber da gravidez pediu que ela realizasse. Contudo, Albert nega a paternidade e o processo corre no Tribunal de Milão.

“Vai ter a audiência e eu espero que o juiz peça o exame de DNA”, declarou ela.

Segundo o site O Fuxico, os dois teriam se conhecido em 2004 durante uma visita de Albert ao Rio de Janeiro. À época ela não sabia que ele era um príncipe.

“Ele chegou como uma pessoa normal. O nome dele era Erik ou ele pedia para chamá-lo de “Dove” ou “Baby”, declarou.

O casal então iniciou um romance e fez até uma viagem pela Europa. Depois da viagem ela retornou ao Brasil até que descobriu a gravidez e, por conta disso, o relacionamento teria mudado. A brasileira afirma que assim que recebeu a notícia, Albert pediu a ela que fizesse  um aborto.

Foto: Divulgação RecordTV

“Quando descobri que estava grávida, falei “estou grávida” e ele sumiu, desapareceu. Ele não queria ter filho e pediu para fazer o aborto. Foi difícil. Eu trabalhei durante os nove meses de gestação”, relatou.

Ainda de acordo com as informações, a brasileira contou que o príncipe Albert II voltou a procurá-la quando a criança estava com três meses de vida.

“Ele perguntou pra mim se eu tinha tido a filha, falei que sim e perguntou se eu queria encontrar com ele. Eu estava muito triste, muito chateada com toda a situação que aconteceu e queria reconstruir a minha vida. Pedi pra ele sumir. Não sabia quem era ele, pois ele nunca deu o nome verdadeiro”, apontou.

A brasileira só descobriu a identidade verdadeira do príncipe em 2029 por meio de um amigo. “Eu tava com um amigo meu que estava com uma pessoa que era de Mônaco. Falei: ‘poxa, legal… a primeira vez que fui a Mônaco foi com o pai da minha filha. Só que depois que engravidei ele sumiu e desapareceu’. Esse meu amigo brincando comigo, disse ‘não é que o pai da sua filha é o príncipe Albert de Mônaco?’. Aí entrei no Google, vi a foto dele e reconheci imediatamente”.

A brasileira afirma que o processo pelo reconhecimento da paternidade  tem como único motivo realizar  o sonho da filha em conhecer o pai. Ela garante que aceitaria assinar um acordo renunciando a dinheiro.

“Eu quero que ela tenha o pai dela que sempre quis. Até falei para o advogado que eu poderia até renunciar a qualquer coisa, porque eu não quero nada. O que passou, passou”, garante.

Procurados pelo “Domingo Espetacular” os advogados do príncipe Albert II responderam apenas que não irão se pronunciar sobre o caso. Eles afirmam que o processo não tem qualquer evidência plausível.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.