Crianças são agitadas por natureza. Seja pela faixa etária e incapacidade de comunicação verbal nos primeiros anos de vida ou, em casos específicos, por diagnósticos. Até os 10 anos de idade todo ser humano responde aos estímulos do ambiente de forma muito particular.

Para os pais de crianças nesta faixa etária – que se aventuram todos os dias na educação de seus filhos –, há, no entanto, uma dúvida: até que ponto meu filho é saudável ou agitado demais para a idade.

1. Nem toda “agitação” é diagnóstico…

Lívia Ciacci, neurocientista, explica que à medida que a linguagem verbal se estabelece, a frequência de agitações corporais tende a diminuir, mas a criança ainda não entende diversos motivos de ser contrariada e ainda não aprendeu a ter autocontrole. Nessa fase a agitação fica mais em torno do excesso de perguntas, mudanças de humor e respostas intensas às situações que provocam sentimentos ainda desconhecidos. “Sempre precisamos nos lembrar que vivemos numa cultura agitada, em bairros e ruas agitadas, frequentando espaços de lazer em shoppings agitados, com tecnologia e meios de comunicação que estimulam a agitação, e todo esse contexto ambiental também conta!”, detalhou.

2. Deixe o diagnóstico para um especialista

A especialista explica ainda que o termo “agitação” é amplo e pode ser interpretado a partir de referências diferentes “Por exemplo, uma criança rotulada como ‘agitada’ por sua mãe pode não ser agitada aos olhos de um médico ou psicólogo. Chamamos de agitada uma criança porque ela está brincando e explorando o dia todo ou chamamos de agitada porque ela bate nos coleguinhas e destrói objetos?”, alertou a especialista.

Para termos uma ideia do quão complexo são alguns diagnósticos ainda na infância, podemos tomar como exemplo o TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade). Nestes casos a criança ou adolescente deve apresentar ao menos seis sintomas de desatenção e/ou seis sintomas de hiperatividade-impulsividade, descritos em uma lista. De acordo com a associação americana de psiquiatria, tal lista inclui condutas como: frequentemente não prestar atenção, dificuldade em manter a atenção na realização de atividades escolares, perder materiais frequentemente, parecer não escutar quando alguém lhe dirige a palavra, frequentemente remexer mãos ou pés, levantar da cadeira quando deveria permanecer sentado, falar demais (APA, 2014).

“Os sinais também devem estar presentes em pelo menos dois ambientes (na escola e em casa) e deve haver clareza ao observar os sintomas interferindo no desenvolvimento social e escolar. Nesse momento são importantes o diagnóstico e a intervenção”, detalhou a especialista.

3. Cada fase tem sua característica

Quem lida com o desenvolvimento na infância é unânime nesta afirmação: os pais devem se informar e entender as características de agitação de cada fase infantil, e apenas acender o sinal de alerta quando houver diferenças significativas nesses comportamentos.

Podemos entender este contexto observando a faixa etária entre 6 e 12 anos. Nesta idade a criança já se torna sociável e participa de diferentes grupos, ampliando as relações sociais. Já possui um pensamento mais lógico e tem facilidade em lidar com regras dos jogos em grupo que exigem cooperação. “Se nessa fase a criança ainda não melhorou seu autocontrole em momentos sociais e ainda responde de forma inadequadamente ‘agitada’, aí sim, deve-se procurar apoio profissional”, aconselhou.

4. A abordagem pode ser multidisciplinar

Quem lida diariamente com desenvolvimento infantil, garante: nem toda “agitação” é sinônimo de diagnóstico. Os problemas existem quando a fase de agitação e irritabilidade persiste além do esperado para a idade, impactando nas relações sociais e no desempenho escolar. Uma vez definido o diagnóstico, a literatura médica e psiquiátrica aponta para abordagens que enfatizam o tratamento personalizado e focado nas necessidades específicas de cada caso, com o uso de medicamentos (ou não) e o acompanhamento com diferentes profissionais de saúde – incluindo psicoterapia, psicopedagogia e orientação aos pais e professores.

“Somente após definida a abordagem e verificados bons resultados com a equipe multidisciplinar de saúde, os pais devem buscar atividades extracurriculares variadas que podem somar neste processo para que a criança se sinta melhor com ela mesma e tenha um desenvolvimento pleno e feliz”, disse.

Foto: Shutterstock

5. A importância da rotina neste contexto

Uma vez que a criança tem alguma dificuldade de relacionamento, a família deve criar e manter uma rotina estável, com horários e “combinados” que sempre se repetem da mesma forma. Esse ritual da rotina deixa a criança mais tranquila, transmitindo­ a sensação de normalidade e segurança. 

6. Ouça sempre!

Já quando vai chegando a fase de ensinar os comportamentos adequados, fazer a criança entender o que sente é essencial para ajudá-la a manter a calma. “Por exemplo, uma criança pequena que tem um brinquedo nas mãos, mas deseja o outro que está com o amiguinho pode ter a primeira reação de chorar e espernear. Um adulto pode ensiná-la que ela pode propor à troca ao coleguinha. Da próxima vez que ela estiver nessa situação, ela vai propor a troca antes de ter comportamentos de ‘agitação’”, lembrou.

7. Invista em autoconhecimento

Ensinar crianças e adolescentes a se autoconhecer e agir de forma socialmente adequada é a principal missão da família. Quando essas crianças e adolescentes chegam a fase escolar, continuar o desenvolvimento das habilidades cognitivas de atenção, controle inibitório e aprendizagem com prazer o que vai contribuir para que esta criança seja um adulto equilibrado e feliz.   

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.