Ele é considerado normal. Todo mundo já sentiu ciúmes um dia, no relacionamento, com amizades, familiares e até objetos. Em níveis normais, o ciúme não é prejudicial para o nosso corpo e mente. No entanto, quando ele passa a ser mais frequente e provoca reações adversas pode ser considerado um transtorno mental.

Baixa autoestima, insegurança, medo da perda, são fatores que desencadeiam um sentimento mais exagerado e podem gerar sensações como raiva, tristeza, obsessão e irritabilidade. A ausência de ciúmes também deve ser levada em consideração, já que pode ser considerada uma patologia assim como o excesso de sentimento.

Segundo Freud, o ciúme pode ser dividido em três categorias: o normal, o projetado e o delirante. Quando o sentimento gera um sofrimento mais significativo, considerado patológico você pode estar sofrendo da Síndrome de Otelo. Inspirado na obra de William Shakespeare, a história conta a obsessão de Otelo, em pensar que sua esposa, Desdemônia, era infiel. O ciúme é tão intenso que ele a mata no fim das contas.

O transtorno é caracterizado por uma série de pensamentos e emoções irracionais que podem vir acompanhados de alguns comportamentos violentos. Quem possui, se preocupa constantemente com a infidelidade especialmente do parceiro, sem provas, e com isso, faz de tudo para buscar formas de provar que está certa.

Sintomas

Dentre os principais sintomas da Síndrome de Otelo podemos citar:

  • Incapacidade de controlar o ciúmes;
  • Desconfiança;
  • Suspeita de um terceiro no casal sem provas;
  • Irritabilidade;
  • Raiva;
  • Impulsividade;
  • Justifica suas suspeitas com explicações infindáveis;
  • Interpreta as situações à seu modo;
  • Interroga e investiga a pessoa de quem sente ciúmes constantemente;
  • Não deixe que o outro tenha privacidade;
  • Checa celulares e redes sociais com frequência;
  • Busca obsessiva por provas que justifiquem os pensamentos.

Tratamento

Algumas atitudes não são passageiras e continuar com elas irá piorar o relacionamento. Por isso, o tratamento para o ciúme doentio é procurar ajuda profissional. Psicólogos e psiquiatras podem identificar melhor as causas e oferecer um tratamento para diminuir os efeitos na vida do paciente.

Em alguns casos, existe até a intervenção com medicamentos. Junto com o tratamento é necessário uma mudança de hábitos no dia a dia para ajudar. Atividades que melhorem a autoestima, fortaleçam a relação, gerem mais segurança, deem prazer, são algumas alternativas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *