Uma pesquisa realizada pela Organização Mundial de saúde (OMS), a Associação Brasileira de Psiquiatria e a Vital Strategies, fala que estamos numa pandemia de saúde mental. De acordo com as pesquisas realizadas houve um grande crescimento de casos de depressão e ansiedade.

O tricologista, cabeleireiro e cosmetólogo Tharik Bonomo relata que a depressão e a queda de cabelo estão associadas, assim como o desânimo, a baixa autoestima e a sensação de esgotamento, e podem influenciar na redução da fase de crescimento do cabelo, levando à perda de cabelo.

Além disso, certos medicamentos antidepressivos apresentam como efeito secundário o aumento da queda de cabelo. Relativamente à ansiedade, também é possível experienciar-se a queda de cabelo, ainda que por norma se verifique sobretudo em períodos de ansiedade extrema. Converse com o seu médico sobre a medicação e seus efeitos, siga as orientações corretamente. Uma sugestão é analisar a sua alimentação, sono e disposição. Incluir atividade física na sua rotina lhe ajudará com a depressão. 

Impacto da depressão e queda do cabelo

Neste caso a queda do cabelo, costuma ser uma reação negativa do corpo aos sintomas da depressão, o aumento da queda também pode agravar ainda mais a tristeza e o mal-estar. As mulheres sofrem mais devido a se sentirem mal devido à autoestima.

Divulgação: Freepik

Sintomas e tratamento

Tricotilomania é um transtorno psiquiátrico que faz com que o paciente sinta um desejo incontrolável e frequente de arrancar fios de cabelo e pelos de seu corpo, removendo-os de locais como o couro cabeludo, cílios, sobrancelhas e barba, que são os casos mais comuns, além da virilha, braços e pernas. 

Hábitos relacionados à automutilação, como o ato de roer as unhas com frequência, cutucar as cutículas ou até mesmo outras partes do corpo, vontade incontrolável de arrancar os fios de cabelo.

A tricotilomania pode estar associada a outras condições psíquicas, como distúrbios emocionais, transtorno de ansiedade generalizada (TAG), depressão, transtornos de controle do impulso e transtorno obsessivo compulsivo (TOC). Nesses casos o tratamento poderá incluir o uso de medicamentos psiquiátricos, além da realização de análise e terapia que vão permitir ao paciente identificar seus gatilhos comportamentais que fazem com que um episódio de tricotilomania se apresente. 

O Tharik Bonomo informa que é importante saber quando ansiedade, estresse e depressão alcançam níveis nos quais a mudanças de hábitos não são suficientes. O tratamento consiste em uma avaliação de um médico especialista em cabelo e é realizado através de vitaminas, óleos essenciais e tratamento capilar atrás de laserterapia. Lembrando sempre que o resultado vem em conjunto com o tratamento emocional e o capilar.

Atitudes simples no dia a dia podem ajudar a evitar a queda capilar, como alimentação saudável, manter os cabelos limpos, usar menos químicas, não prender o cabelo enquanto estiver molhado, cuidar da saúde mental e diminuir os sintomas da depressão. Os procedimentos para queda de cabelo devem, ser feito em local apropriado e por um profissional.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.