Após um artigo recente no The Guardian, a Internet explodiu com histórias de períodos menstruais que deram errado. O estresse e a perda da normalidade no último ano parecem ter alterado os ciclos e amplificado os sintomas da síndrome pré-menstrual (TPM) que muitas mulheres experimentam. E após a publicação do artigo, muitos responderam nas redes sociais com o mesmo sentimento: “Então, não sou só eu?”

Muitas mulheres tiveram e ainda tem alterações em seus ciclos como a perda da menstruação naquele período – (Amenorreia), sangramento excessivo e prolongado, mudanças de humor severas e irritabilidade, de acordo com o artigo do The Guardian.  

Esse mesmo artigo declara que 65% das 5.677 entrevistadas haviam notado uma mudança em seu ciclo menstrual. Outra pesquisa, que foi postada no medRxiv, mas ainda não foi revisada por pares, descobriu que 53% das 749 entrevistadas notaram uma mudança em seu ciclo menstrual, incluindo aumento na duração do ciclo.

Acredito que essa pandemia causou uma alteração do ciclo menstrual na mulher muito por causa do estresse levando a alterações hormonais e mesmo comportamentais ainda mais complicadas.

Há evidências preliminares de que o ciclo de progesterona e estrogênio usado por mulheres em idade reprodutiva realmente oferece um efeito protetor contra COVID-19, o que é uma boa notícia.

Porem, fica claro tambem que as mulheres acabaram assumindo responsailidades adicionais dos homens que tem maior risco podendo ficar gravemente doentes.

Freqüentemente, elas fazem malabarismos com a educação em casa e os cuidados com os idosos, além dos fatores estressantes onipresentes do isolamento e das preocupações com a saúde pessoal.

O sangramento anormal é o motivo mais comum para as pessoas visitarem um ginecologista. Acredito que isso tem sido acentuado ainda mais nessa época de pandemia, isolamento e confinamento domiciliar.

O estresse faz com que o corpo produza cortisol, que é um dos responsáveis pelos ciclos interrompidos, podendo suprimir os hormônios hipofisários que estimulam a ovulação.

Algumas mulheres não se sentem bem porque estão presas em uma fase do ciclo.

O oposto também pode ser verdadeiro, elas podem passar meses sem menstruar e quando finalmente perdem o revestimento uterino (endométrio), o sangramento continua por um tempo.

Alguma irregularidade no ciclo menstrual de uma pessoa pode ser considerado uma resposta normal ao estresse e até provável, considerando o ano passado. No entanto, sangramento por mais de 2 semanas ou irregularidade por mais de 3 meses pode indicar algo mais sério, como uma infecção ou câncer. É fundamental obter um histórico claro para saber quando você precisa fazer exames de sangue e hormônios e visitar seu ginecologista.

Ansiedade e depressão amplificadas

Para algumas mulheres, o problema não é o sangramento; em vez disso, a TPM tornou-se incapacitante. Em alguns casos mais significativos notaram-se mudanças drásticas no humor da mulher. No artigo do The Guardian, uma mulher disse que tornou-se mais retraída durante a menstruação a totalmente inacessível e com intensa ansiedade.

Mesmo com exercícios físicos regulares, boa dieta, boa leitura, relaxamentos físico e mental a ansiedade e depressão foram amplificadas.

Isso pode ser atribuido à perda de mecanismos típicos de enfrentamento. Mudanças no sistema de suporte e na rotina e coisas que as manteriam mentalmente saudáveis ​​podem exacerbar durante a TPM,

O melhor conselho que posso oferecer é construir rotinas no estilo de vida pandêmico. Horários normais de vigília e sono, alimentação saudável e práticas que trazem felicidade podem ser “cruciais para manter os sistemas hormonais assim como a TPM o mais controlados possível”.

A telemedicina tornou muito mais fácil acessar para alguns pacientes com TPM podendo oferecer a medicação ou aconselhamento de que precisam, mas essa abordagem não funciona para todas.

Acredito que ainda temos muitas sofredoras silenciosas

É aqui que as práticas de triagem como o Questionário de Saúde do Paciente-9 (https://multiculturalmentalhealth.ca/wp-content/uploads/2019/07/PHQ-9-Portuguese.pdf) são tão críticas.

Mesmo em um ano normal, um terço dos ginecologistas são “psiquiatrias”.

Também pode ser importante para os médicos e as pacientes fazerem uma conexão inicial entre a piora do humor ou da função cognitiva e a menstruação. Saber que seus sentimentos de estresse, irritabilidade, nebulosidade ou abstinência estão ligados ao seu ciclo hormonal e possivelmente agravados pelo estresse da pandemia pode ser útil podendo evitar problemas serios de saude não ligados a pandemia.

Vamos ficar atentos?

Marcus Borges
Dr. Marcus Borges é formado em medicina pela UNICAMP, concluiu a residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia pelo CAISM (Especialista em Stem Cells e fertilidade). Com forte experiência internacional trabalhou para a Organização Mundial de Saúde (OMS/WHO) na Alemanha no hospital da RWTH-Aachen, por 3 anos. Mudou-se para os EUA onde finalizou seus estudos na UMDNJ - New Jersey no curso de pós doutorado em perinatologia por 2 anos. Professor adjunto da Ensign College em Utah/USA. Com inúmeras publicações científicas internacionais voltou ao Brasil onde concluiu o curso do MBA pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Forte experiência em saúde da mulher e com inúmeras palestras iniciou seu trabalho na indústria de seguros saúde e depois na indústria farmacêutica multinacional como a Ativus, Merk Serono e na Glenmark como diretor da área médica. Atualmente escreve uma coluna para o portal Plena Mulher, levando maior conhecimento e informação para as mulheres brasileiras.
12 comentários para “ A pandemia está tornando a menstruação insuportável para algumas mulheres ”
  1. Excelente artigo Dr. Marcus. Nesses tempos de Pandemia, é muito importante nos cercarmos de todos os cuidados para nossa saúde e bem estar. 👏🏼👏🏼👏🏼

    1. Oi Katia.

      A saúde da mulher deve sempre ser analisada e respeitada. E nessa época de desafios a saúde deve ser priorizada principalmente quanto ao recebimento de informações de fontes seguras atuais e verdadeiras.
      Forte abraço e sucesso.

  2. Informações de grande importância , de modo geral, de fonte confiável, por um profissional extremamente competente.
    Parabéns!!

    1. Oi Jackeline.
      Acredito que a visão holística da saúde da mulher sempre será a melhor forma de contribuir para um diagnóstico e tratamento adequado.
      Obrigado pelo comentario super válido e atual.
      Abraços.

Deixe uma resposta para Daniel Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *